Ciclos Biogeoquímicos

uma proposta de atividade para a Educação Não Formal

Autores

  • Thayse Zambon Barbosa Aragão Secretaria de Educação do Estado de São Paulo
  • Guilherme Stecca Marcom Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - IFSP Campus Boituva
  • Diogo Cézar Zangarini Secretaria de Educação do Estado de São Paulo

Palavras-chave:

Ciclos Biogeoquímicos, Educação Não Formal, Vygotsky, ZDP

Resumo

Nós buscamos apresentar uma proposta de atividade pedagógica para ser aplicada num contexto de Educação Não Formal. Baseia-se na abordagem sobre Ciclos Biogeoquímicos, de apresentando-o de modo pouco tradicional dentro do contexto da Educação Não Formal. Tendo como ponto de partida a conceitualização dos ciclos mencionados, a contextualização do espaço de Educação Não Formal escolhido e os apontamentos teóricos sobre a teoria da aprendizagem desenvolvida por Levy Vygotsky. Optou-se por abordar perspectivas teóricas que possibilitassem uma reflexão e construção de uma proposta de atividade pedagógica, apresentado na última seção do artigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thayse Zambon Barbosa Aragão, Secretaria de Educação do Estado de São Paulo

Professora da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, Valinhos. ORCID: 0000-0002-1046-789X

Guilherme Stecca Marcom, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - IFSP Campus Boituva

Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - IFSP Campus Boituva, Brasil. ORCID: 0000-0002-7297-8345

Diogo Cézar Zangarini, Secretaria de Educação do Estado de São Paulo

Professor da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, Valinhos

Referências

ALMEIDA, F. F. M. de. A Rocha Moutonnée de Salto, Estado de São Paulo. Geologia e Metalurgia, v. 5, p.112-117, 1948.

ARAGÃO, T. Z. B. Contribuição à educação não formal: pesquisa-ação na formação de mediadores no Parque Rocha Moutonnée_ Salto-SP. 2018. Tese de Doutorado (Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática) - Instituto de Física Gleb Wataghin, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2018.

BARROS, C. O. Discursos Escolares sobre o Ciclo do Carbono. 2011. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Ensino e História de Ciências da Terra) - Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, 2011.

BIZERRA, A. F. Atividade de aprendizagem em museus de ciência. 2009. Tese (Doutorado em educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

CAMARGO, A.M., LIMA, E.S., CHAUDHRY, Z.F. A água como recurso finito. Trabalho apresentado na Disciplina Ciência, Tecnologia e Sociedade. Curso de Especialização em Jornalismo Científico Unicamp/Labjor, Campinas, 1999. Disponível em: http://www.reasul.org.br/files/mono_eliana_lima%20completa.pdf. Acesso em: 13 de maio de 2021.

CAZELLI, S. Alfabetização Científica e os Museus Interativos de Ciências. Dissertação de Mestrado (Mestrado em educação) – Departamento de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 1992.

CHELINI, M. J. E., LOPES, S. G. B. de C. Exposições em museus de ciência: reflexões e critérios para análise. Anais do Museu Paulista. São Paulo, v.16 n.2, p. 205-238, 2008.

GASPAR, A. Ensino informal de ciências: de sua viabilidade e interação com o ensino formal à concepção de um centro de ciências. Caderno Catarinense de Ensino de Física. Florianópolis, v.9, n.2, p.157-163, ago.1992.

GRUZMAN, C., SIQUEIRA, V. H. F. de. O papel educacional do Museu de Ciências: desafios e transformações conceituais. Revista electrónica de enseñanza de las ciencias. v. 6, n. 2, p. 407-423, 2007.

ISZLAJI, C. A criança nos museus de ciência: análise da exposição mundo da criança do museu de ciência e tecnologia da PUCRS. 2012. Dissertação (Mestrado em educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo,2012.

JAQUES, R. C. Qualidade da água de chuva no município de Florianópolis e sua potencialidade para aproveitamento em edificações. 2005. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) –Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

KOPTCKE, L. S. Observar a experiência museal: uma prática dialógica? In. Caderno do Museu da Vida 2003. Rio de janeiro, 2003.

LOPES, M. M. Museu: uma perspectiva de educação em geologia. 1988. Dissertação (Mestrado em educação) – Faculdade de educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1988.

MARANDINO, M. Ação educativa, aprendizagem e mediação nas visitas aos museus de ciências. In. MASSARANI, L. (ed.). Workshop Sul-Americano & Escola de mediação em museus e centros de ciência. Rio de Janeiro: Museu da Vida/ Casa de Oswaldo Cruz/ Fio Cruz, p.21-28, 2008.

MASSARANI, Luisa. Museus de ciência e a mediação entre ciência e sociedade. Journal of Science Communication. v.3, n. 2, 2020.

McDONALD, S. Un noveau ‘corps de visiteurs’: musées et changements culturels. Public & Musées, v.3, p. 12-27, 1993.

McMANUS, P. Oh, Yes, They Do: How Museum Visitors Read Labels and Interact with Exhibit Texts. Curator, v. 32, n. 3, p.174-189, 1989.

MOLL, L. C.; GREENBERG, J. B. A criação de zonas de possibilidades: combinando contextos sociais para a instrução. In: MOLL, L. C. Vygotsky e a Educação. Rio de Janeiro: Artes Médicas, p. 313 – 339, 2005.

MORA, M. C. S., Diversos enfoques sobre as visitas guiadas nos museus de ciência. In. MASSARANI, L. (org.). Diálogos & Ciência: mediação em museus e centros de ciência. Rio de Janeiro: Museu da Vida /Casa Oswaldo Cruz /Fio Cruz, p.21-26, 2007.

NASCIMENTO, S. S. do. O desafio de construção de uma nova prática educative para os museus. In. FIGUEIREDO, B. G.; VIDAL, D. G. (org.). Museus dos Gabinetes de Curiosidades à Museologia Moderna. Belo Horizonte: Argumentum, p. 221-239, 2005.

ROCHA-CAMPOS, A. C. Rocha Moutonnée de Salto, SP. In: SCHOBBENHAUS, C.; CAMPOS, D. A.; QUEIROZ, E. T.; WINGE, M.; BERBERT-BORN, M. (edit). Sítios Geológicos e Paleontológicos do Brasil. Disponível em: http://www.sigep.cprm.gov.br/sitio021/sitio021.htm. Acesso em: 17 de jun. de 2020.

ROSSA, S. R. L. G. S. Contribuições para um uso mais eficiente da água no ciclo urbano. Dissertação (Mestrado em Engenharia do Ambiente) –Universidade do Porto, Porto, 2006.

SALTO. Pontos turísticos recebem mais de 82 mil visitantes em cinco meses. 2017. Disponível em: https://salto.sp.gov.br/pontos-turisticos-recebem-mais-de-82-mil-visitantes-em-cinco-meses/. Acesso em: 13 de maio de 2021.

SAPIRAS, A. Aprendizagem em museus: uma análise das visitas escolares do Museu Biológico do Instituto Butantan. Dissertação (Mestrado em educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2007.

STUDART, D., ALMEIDA, A. M., VALENTE, M. E. Pesquisa de Público em Museus: desenvolvimento e perspectivas. In: GOUVÊA, G., MARANDINO, M., LEAL, M. C. (org.). Educação e museu: a construção do caráter educativo dos museus de ciência. Rio de Janeiro: Ed Access: Paperj, 2003.

TEODORO, P. G. Escolha dos livros didáticos de ciências no município de Santo Antônio da Platina: uma análise na abordagem dos ciclos biogeoquímicos. Monografia (Especialização em Ensino de Ciências) _ Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira, 2014.

VALENTE, M. E. A. Educação em Museu: O público de hoje no museu de ontem. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Educação), Departamento. de Educação Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 1995.

VIEIRA, V.; BIANCONI, M. L.; DIAS, M. Espaços não-formais de ensino e o currículo de ciências. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 57, n. 4, Dec. 2005.

VYGOTSKI, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

_____: A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

Downloads

Publicado

2021-07-18

Como Citar

ARAGÃO, T. Z. B.; STECCA MARCOM, G.; ZANGARINI, D. C. Ciclos Biogeoquímicos: uma proposta de atividade para a Educação Não Formal. Revista Internacional de Pesquisa em Didática das Ciências e Matemática, [S. l.], v. 2, p. e021013, 2021. Disponível em: https://periodicoscientificos.itp.ifsp.edu.br/index.php/revin/article/view/318. Acesso em: 1 dez. 2021.