Pesquisas intituladas estado da arte

em foco

Autores

  • Norma Sandra de Almeida Ferreira Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Estado da arte. Estado do conhecimento. Pesquisa em Educação.

Resumo

Neste texto, propomos que os estudos identificados como estado da arte vêm se constituindo como um campo de conhecimento próprio, tendo sido produzidos de forma vigorosa nas quatro últimas décadas do século XXI, em quantidade significativa, com diversidade de temáticas e áreas disciplinares, através de trabalhos realizados por diferentes pesquisadores de distintos grupos e instituições. Trazemos uma breve exposição e buscamos um diálogo com os pesquisadores do estado da arte sobre o objeto de estudo, as práticas investigativas e discursivas que caracterizam esse tipo de pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Norma Sandra de Almeida Ferreira, Universidade Estadual de Campinas

Possui livre docência na área “Conhecimento e Linguagem” (2014), pós-doutorado pela Universidade de Algarve-Portugal (2008), doutorado em Educação (1999) e mestrado em Educação (1994) pela Faculdade de Educação – Universidade Estadual de Campinas. Possui graduação em Pedagogia pela Universidade de Franca (1989), graduação em Letras pela Faculdade de Ciências e Letras de São José dos Campos (1972). Atualmente é professora associada da Universidade Estadual de Campinas, MS5 e coordenadora do grupo de pesquisa ALLE/AULA – Alfabetização, Leitura e Escrita e Trabalho Docente na Formação Inicial, Faculdade de Educação, UNICAMP. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em: leitura, escrita, literatura infantil e alfabetização 

Referências

ANDRÉ, Marli E. D. A. de; ROMANOWSKI, Joana P. O tema formação de professores nas teses e dissertações brasileiras, 1990-1996. In: PROGRAMA E RESUMOS da 22ª. Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, ANPED, Caxambu, MG, 1999. [CD].

ANDRÉ, Marli. A pesquisa sobre formação de professores no Brasil, 1990-1998. In: ANAIS do 10º Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, Rio de Janeiro, 2000.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BEDRAN,et.al. Avaliação de estudos de pesquisas sobre profissionalização do ensino do segundo grau no Brasil – 1971-1982. Brasilia: INEP/MEC, 1983.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BRANDÃO, Z et.al. Evasão e repetência no Brasil: a escola em questão. Rio de Janeiro: Achiamé, 1983.

CERTEAU, M. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

CHARTIER, R. História Cultural – entre práticas e representações. RJ, Bertrand, 1996.

CHARTIER, R. Leituras e leitores na França do Antigo Regime. SP, Editora UNESP, 2004.

FERREIRA, Aurélio B.H. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, RJ, Editora Nova Fronteira, 1975.

FERREIRA, Norma S. A. Pesquisa em leitura: Um estudo dos resumos de dissertações de mestrado e teses de doutorado defendidas no Brasil, de 1980 a 1995. Tese de doutorado, Faculdade de Educação da UNICAMP. Campinas, 1999.

¬¬______ A Pesquisa sobre Leitura no Brasil: 1980 – 1995. Campinas, SP, Komedi: Arte Escrita, 2001.

______ As pesquisas denominadas estado da arte. Educação & Sociedade, ano XXIII, no 79, Agosto/2002, p. 257- 27

______ Leitura sobre leitura(s) na Revista Pró-Posições Pro-Posições, Campinas, v.30, e20190106,201. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010373072019000100305&lng=pt&nrm=iso>. Acesso: 16 dez. 2019.

FIORANTINI, D. Rumos da pesquisa brasileira em educação matemática, o caso da produção científica em cursos de pós-graduação. Campinas, SP, Faculdade de Educação, Unicamp, 1994, [Tese de Doutorado.]

______ Mapeamento, estado da arte e meta-análise da pesquisa sobre o professor que ensina matemática (PEM). Apresentação em power-point, dia 03/10/2016, Palestra PUC Campinas. Disponibilizado pelo próprio autor.

FRACALANZA, H. O que sabemos sobre os livros didáticos para o ensino de ciências no Brasil. Tese de doutorado, Faculdade de Educação da UNICAMP. Campinas, 1992.

FREITAG, B. et al. O estado da arte do livro didático no Brasil. INEP/MEC/Reduc, 1987.

GÓMEZ, Vargas M., HIGUITA, Galeano C. y JARAMILLO Muñoz, D. A. (julio-diciembre, 2015). El estado del arte: una metodología de investigación. In: Revista Colombiana de Ciencias Sociales,vol. 6 (2), julio-diciembre 2015, p. 423-442. Acesso: 09 jun.2021.

HADDAD, S. O ensino supletivo no Brasil: o estado da arte. Brasileia, INEP/MEC/REDUC,1987. Disponível: http://dominiopublico.mec.gov.br/download/texto/me002519.pdf Acesso: 20 jan.2021.

LÜDKE, Menga, ANDRÉ, Marli. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MEGID Neto, Jorge. Tendências da pesquisa acadêmica sobre o ensino de ciências no nível fundamental. Campinas, SP, Faculdade de Educação, Unicamp, 1999. [Tese de Doutorado].

MONTOYA, Nancy P. M. Herramientas para investigar ¿Qué es el estado del arte? In: Ciencia y Tecnología para la salud Visual y Ocular ,No 5: Julio - diciembre 2005, p. 73-75. Acesso: 09 jun. 2021.

MÜLLER, Tania. M. P. As pesquisas sobre o “estado do conhecimento” em relação étnico-raciais. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, Brasil, n. 62, p. 164-183, dez. 2015. Disponível: https://doi.org/10. 11606/isnn2316-901X.v0i62p164-182. Acesso: 03 mar. 2021.

OLIVEIRA, F.B. Pós- Graduação. Educação e mercado de trabalho, Papirus. Campinas, SP,1995

PALACIO, OLGA L. L. ; GRANADOS, Luis F.M.; VILLAFÁÑEZ, Liccy, C.C. Guia para construir Estados da arte. International Corporatio of Networks of Knowledge – ICONK, Bogotá. Colombia, 2016. Disponível: https://iconk.org/docs/guiaea.pdf Acesso: 12 jun. 2021.

PATIÑO, Ragnhild G. El estado del arte en la investigación: ¿análisis de los conocimientos acumulados o indagación por nuevos sentidos?

Revista Folios, núm. 44, julio-diciembre, 2016, pp. 165-179 Universidad Pedagógica Nacional Bogotá, Colombia. Disponible en: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=345945922011Acesso: 05 mar. 2021.

ROMANOWSKI, Joana; TEODORA ENS, Romilda. AS PESQUISAS DENOMINADAS DO TIPO “ESTADO DA ARTE” EM EDUCAÇÃO. Revista Diálogo Educacional, [S.l.], v. 6, n. 19, p. p. 37-50, jul. 2006. ISSN 1981-416X. Disponível em: <https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/24176/22872>. Acesso: 09 jun. 2021.

SILVA, M.J.; MALFITANO, A. P. S. Pesquisas bibliográficas nos moldes de “estado da arte”. Produção de conhecimento científico. Revista Latinoamericana de Metodologia de la Investigatión Social, nO. 14, Año 7, Ocutubre 2017. Marzo 2018. Argentina, p. 40-50. Disponível: http:// relmis.com.ar/ojs/index.php/relmis/article/view/50/54. Acesso: 09. jun.2021.

SIMON, S. O ensino superior no Brasil: a busca de alternativas. IN: revista Educação Brasileira, Brasília, 18 (37), 2º.sem. 19996, p 11-45.

SOARES, M. Alfabetização no Brasil – O Estado do conhecimento. Brasília: INEP/MEC, 1989.

______ Alfabetização no Brasil: o estado do conhecimento In MACIEL, Francisca Pereira. Disponível em: http://www.mec.inep.gov.br, 2000. Acesso: 20. Jan. 2021.

Downloads

Publicado

2021-08-25

Como Citar

FERREIRA, N. S. de A. Pesquisas intituladas estado da arte: em foco. Revista Internacional de Pesquisa em Didática das Ciências e Matemática, [S. l.], v. 2, p. e021014, 2021. Disponível em: https://periodicoscientificos.itp.ifsp.edu.br/index.php/revin/article/view/524. Acesso em: 1 dez. 2021.