As Influências do conservadorismo na emergência do Serviço Social no Brasil

Autores

  • Adelia Rodrigues De Souza Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)
  • Rosana Mirales Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE

Palavras-chave:

conservadorismo, Doutrinário, Neotomismo, Pragmatismo, Serviço Social

Resumo

O projeto de iniciação científica intitulado As influências do conservadorismo na emergência do Serviço Social no Brasil foi desenvolvido durante o período 2018/2019 e teve como principal objetivo analisar as influências conservadoras recebidas e difundidas pelo Serviço Social desde sua emergência, em 1936, até 1940. Nesta pesquisa, buscou-se compreender o que é conservadorismo, bem como suas características fundamentais na versão clássica (Escorsim Netto, 2011) e que tiveram continuidade em seu formato moderno (Souza, 2015), além de analisar as relações entre os pressupostos conservadores e aqueles recebidos pelo Serviço Social brasileiro no processo de criação das suas primeiras escolas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosana Mirales, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE

Bacharel em Serviço Social, formada pela Universidade Estadual de Londrina/Paraná (1987), com mestrado em Ciências Sociais (1998) e doutorado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/São Paulo (2009). É docente na Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) desde 2001, com atividades de ensino, pesquisa e extensão, na graduação e a partir de 2013 também no Programa de Pós-graduação em Serviço Social (Mestrado). Desenvolve atividades relacionadas aos Fundamentos do Serviço Social e das Políticas Sociais. 

Referências

AGUIAR, A. G. Serviço Social e Filosofia. Das origens a Araxá. São Paulo: Cortez; Piracicaba: UNIMEP, 1982.

CASTRO, M. M. História do Serviço Social na América Latina. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

ESCORSIM NETTO, L. E. O conservadorismo clássico. São Paulo: Cortez, 2011.

GUERRA, Y. A. D. Expressões do pragmatismo no Serviço Social: reflexões preliminares. Rev. katálysis, Florianópolis, v. 16, n. esp., p. 39-49, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-49802013000300004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 16 jul. 2020.

IAMAMOTO, M. Conservadorismo e Serviço Social. In: IAMAMOTO, M. Renovação e conservadorismo no Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1997.

POGREBINSCHI, T. Pragmatismo. Teoria Social e Política. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2005.

SOUZA, J. M. A. O conservadorismo moderno: esboço para uma aproximação. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 122, p. 199-223, junho, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282015000200199&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 16 jul. 2020.

SOUZA, J. M. A. Edmund Burke e a gênese conservadorismo. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 126, p. 360-377, junho, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282016000200360&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 16 jul. 2020.

YAZBEK, M. C. Estudo da evolução histórica da Escola de Serviço Social de São Paulo no período de 1936 a 1945. 1977. 104 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1997.

Downloads

Publicado

2021-02-24

Como Citar

De Souza, A. R., & Mirales, R. (2021). As Influências do conservadorismo na emergência do Serviço Social no Brasil. Revista Brasileira De Iniciação Científica, 8, e021009. Recuperado de https://periodicoscientificos.itp.ifsp.edu.br/index.php/rbic/article/view/268