Uma visão sobre a Prática como Componente Curricular utilizando oficinas pedagógicas e recursos midiáticos no Ensino de Química

Autores

  • Taysa da Silveira Chrysostomo
  • Jorge Cardoso Messeder IFRJ

Palavras-chave:

Licenciatura em química. Prática como Componente Curricular. Oficinas pedagógicas. Propagandas televisivas.

Resumo

O presente artigo é parte de uma dissertação de mestrado em Ensino de Ciências, em uma pesquisa
realizada com licenciandos em química, do Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ), campus
Nilópolis, cujo objetivo principal foi investigar como professores de química em formação podem
se apropriar de propagandas televisivas como recurso didático. A pesquisa foi qualitativa, com
análise interpretativa das informações obtidas nos encontros que ocorreram em uma das oficinas
pedagógicas. Todos os registros das discussões foram feitos em áudio, e os resultados analisados
segundo a metodologia da Análise Textual Discursiva (ATD), observando-se as contribuições do
seu desenvolvimento para a prática pedagógica dos licenciandos em questão e consequentemente
para a formação de professores. Os participantes da pesquisa realizaram ensaios de intervenção pedagógica com propagandas televisivas, onde foram organizados grupos de discussões sobre o uso deste recurso midiático como opção metodológica, e dos problemas atuais no ensino de química, além das dificuldades de se contemplar a Prática como Componente Curricular (PCC) no curso de licenciatura. As discussões em grupo serviram de subsídios para que os licenciandos pudessem pensar e repensar a prática pedagógica, com inserções de atividades e recursos que possibilitem, em um curso formação de professores, à procura de um ensino de Química mais diversificado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Taysa da Silveira Chrysostomo

Mestre em Ensino de Ciências pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, campus Nilópolis

Jorge Cardoso Messeder, IFRJ

Doutor em Ciências pelo Instituto Militar de Engenharia, pesquisador do Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências do IFRJ.

Referências

AZEVEDO, D. Propaganda, Consumo e Sustentabilidade: uma análise narrativa da publicidade como aporte à educação ambiental crítica. 140 f. Dissertação. Programa de PósGraduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ), Nilópolis, RJ, 2011.

BAROLLI, E.; VILLANI A.; A formação de professores de ciências no Brasil como campo de disputas. Revista Exitus, Santarém, v. 5, n. 1, p. 72-90, 2015. Disponível em: . Acesso em: 05/05/2016.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. LDB - Lei nº 9394/96, 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

______. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1998. 436 p.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 09/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF, 08 mai. 2001a.

Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf>. Acesso em: 08/04/2013.

______. Parecer CNE/CP. Formação de professores de Ciências 27/2001. Dá nova redação ao item 3.6, alínea c, do Parecer CNE/CP 9/2001, que dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de

licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF, 02 out. 2001b. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/027.pdf>. Acesso em: 08/04/2013.

______. Conselho Nacional de Educação Conselho Pleno. Parecer CNE/CP 9/2001.

______. Resolução CNE/CP 01/2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, DF, 18 fev. 2002a. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res1_2.pdf>. Acesso em: 18 abr. 2013.

______. Resolução CNE/CP 02/2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Brasília, DF, 19 fev. 2002b. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP022002.pdf>. Acesso em: 18 abr. 2013.

______. Resolução CNE/CP 1, de 18 de fevereiro de 2002.

______. Ministério da Educação. Secretária de Ensino Básico. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, 2002.

______. Resolução CNE/CP 07/2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, 1 de jul., 2015. Disponível em: <http://www.udesc.br/arquivos/id_submenu/83/res_cne_cp_002_03072015.pdf>. Acesso em: 12/05/2016.

CHRYSOSTOMO, T. S.; MESSEDER, J. C. A visão de acadêmicos de licenciatura sobre o uso de propaganda televisiva como recurso didático para o ensino de química. Anais... XVIII Encontro Nacional de Ensino de Química. Florianópolis/SC, 2016.

CHRYSOSTOMO, T. S. Propagandas televisivas como recursos didáticos: concepções, investigações e práticas na Licenciatura em Química. 137p. Dissertação. Programa de PósGraduação em Ensino de Ciências. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de

Janeiro (IFRJ), Campus Nilópolis, Nilópolis, RJ, 2016.

DA CUNHA, M. I. Diferentes Olhares Sobre as Práticas Pedagógicas no Ensino Superior: a docência e sua formação. Educação, Porto Alegre, v. 27, n. 3 (54), p. 525 – 536, set./dez. 2004. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/viewArticle/397>. Acesso em: 16/05/2016.

DE SOUZA NETO, S.; DA SILVA, V. P. Prática como Componente Curricular: questões e reflexões. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 14, n. 43, p. 889-909, set./dez. 2014. Disponível em: <https://www.researchgate.net/profile/Samuel_Souza_Neto/publication/276238925_Prtica_como_Componente_Curricular_questes_e_reflexes/links/55dfb29e08aede0b572b91fb.pdf>. Acesso em: 14/05/2016.

FREITAS, H. C. L. A reforma do Ensino Superior no campo da formação dos profissionais da educação básica: As políticas educacionais e o movimento dos educadores. Educação & Sociedade, ano XX, nº 68, p.17-44, 1999. Disponível em: . Acesso em: 16/05/2016.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXERA (INEP). Sinopses Estatísticas da Educação Superior – Graduação. Atualizado em 2016. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/superior-censosuperior-sinopse>. Acesso em: 14/05/2016.

MARCATTO, F. S. F.; PENTEADO, M. G. O lugar da prática nos projetos pedagógicos de cursos de licenciatura em matemática. Acta Scientiae, Canoas, v. 15, n.1, p.61-75, jan./abr. 2013. Disponível em: <http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/acta/article/view/345>. Acesso em: 14/05/2016.

MARQUES, F. P.; RODRIGUES M. I. R. O desenvolvimento de saberes profissionais: a formação com as disciplinas pedagógicas de licenciandos brasileiros. Revista Eletrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 14, n. 3, p. 270-294, 2015.

MENEZES, K. R. A.; A docência no Ensino superior. Revista Eletrônica FACE. Espírito Santo. [entre 2005 e 2016] Disponível em: <http://www.facefaculdade.com.br/arquivos/revistas/A_Docncia_no_Esino_Superior.pdf>. Acesso em: 16/05/2016.

MORAES, R.; Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, Porto Alegre, v. 9, n. 2, p. 191-211, 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v9n2/04>. Acesso em: 05/05/2016.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise Textual Discursiva. 2. ed. rev. Ijuí: Ed. Unijuí, 2011. 224p.

MORAN Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias audiovisuais e telemáticas. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 13ª ed. Campinas, SP: Papirus, 2007.

OLIVEIRA, L. O. Concepções, nutriente e energia: propagandas como ferramenta para a aprendizagem. 2014. 36f. Trabalho de Conclusão de Curso. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde /Ciências Biológicas - Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo.

OSÓRIO, V. C. O educar pela pesquisa e as oficinas pedagógicas: contribuições para a prática docente e o Ensino de Ciências das séries iniciais do ensino fundamental. 98f. Dissertação. Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Educação em Ciências e Matemática. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Rio Grande do sul (PUC-RS), Porto Alegre, RS, 2007.

PASSOS, L. F.; TELES, N. C. G.; GONÇALVES, M. O.; REIS, A.T. Desenvolvimento profissional de formadores de professores iniciantes dos cursos de licenciatura, Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 24, n. 2, p.105-122, mai./ago. 2016. Disponível em:

< http://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/index>. Acesso em: 04/01/2017.

SILVERIO, L. E. R.; TORRES, J. R.; MAESTRELLI, S. R. P. Um panorama sobre as 'Práticas como Componente Curricular' no curso de Graduação em Ciências Biológicas da UFSC. Atas.. IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – IX ENPEC. Águas de Lindóia, SP – 10 a 14 de Novembro de 2013.

Downloads

Publicado

2022-09-15

Como Citar

CHRYSOSTOMO, T. da S.; MESSEDER, J. C. Uma visão sobre a Prática como Componente Curricular utilizando oficinas pedagógicas e recursos midiáticos no Ensino de Química. Revista Internacional de Formação de Professores, Itapetininga, v. 2, n. 4, p. 139–155, 2022. Disponível em: https://periodicoscientificos.itp.ifsp.edu.br/index.php/rifp/article/view/734. Acesso em: 15 jul. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)