Educação e diversidade

pressupostos relacionados à feminização do magistério na Educação Infantil

Autores

  • Jhonatan Phelipe Peixoto Universidade Estadual de Maringá
  • Solange Franci Raimundo Yaegashi Universidade Estadual de Maringá
  • Sharmilla Tassiana de Souza Universidade Estadual de Maringá

Palavras-chave:

Feminização do magistério. Professor Homem. Educação Infantil.

Resumo

Discutir sobre a docência na Educação Infantil, principalmente no que se refere à atuação do professor homem na etapa da Educação Básica, tem sido uma tarefa difícil nas últimas décadas. Nesse sentido, o objetivo deste estudo é analisar como ocorreu o processo de feminização do magistério na Educação Infantil e quais são os pressupostos que estão relacionados com a quase ausência do professor do gênero masculino neste momento da Educação. A pesquisa se justifica pelo fato de que, ao adentrarmos em escolas que ofertam a Educação Infantil quase não se vê, ou até mesmo não se encontram professores homens em sala de aula. O estudo, de natureza bibliográfica, se embasou em autores abordam este assunto. Concluímos que, a maior quantidade de professoras mulheres nos centros de Educação Infantil tem estreita relação com a crença de que o ambiente escolar deve ser similar ao contexto familiar, propiciando o cuidado e o assistencialismo, características essas que foram impostas às mulheres, por serem historicamente vistas como mais afetivas. Com isso, há mais docentes do gênero feminino, pelo simples fato de serem consideradas socialmente frágeis, sentimentais e maternais. O homem, por sua vez, é visto como forte e decidido, devendo atuar em funções de cunho braçal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jhonatan Phelipe Peixoto, Universidade Estadual de Maringá

Mestrando em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Professor Mediador da Universidade Cesumar (UNICESUMAR). Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Escola, Família e Sociedade (GEPEFS). ORCID: https://orcid.org/0000-0003-4783-2712

Solange Franci Raimundo Yaegashi, Universidade Estadual de Maringá

Doutora e Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Docente do Departamento de Teoria e Prática da Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Escola, Família e Sociedade (GEPEFS). Brasil. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-7666-7253

Sharmilla Tassiana de Souza, Universidade Estadual de Maringá

Doutoranda em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Escola, Família e Sociedade (GEPEFS). ORCID: https://orcid.org/0000-0002-9832-4745

Referências

BOURCIER, Sam. Compreender o feminismo. Tradução de Patrícia Lessa; Fabiana Aparecida de Carvalho; Roberta Stubs. Salvador: Devires, 2021.

BARBOSA, Maria Carmem Silveira. Práticas cotidianas na Educação Infantil – bases para a reflexão sobre as orientações curriculares. MEC-UFRGS: Brasília, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/relat_seb_praticas_cotidianas.pdf. Acesso em: 25 jul. 2023.

BRAGA, Eliane Rose Maio. Sexualidade Infantil: uma investigação acerca da concepção das educadoras de uma creche universitária sobre a educação sexual. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade Estadual Paulista, Assis, 2002.

BRASIL. Lei n. 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Ministério da Educação, 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 25 jul. 2023.

CARDIAL, Karen. Ao excluir professor homem, educação infantil limita convivência com diferentes modos de ser. Revista Educação, São Paulo, 2022. Disponível em: https://revistaeducacao.com.br/2022/02/25/educacao-infantil-homem/. Acesso em: 25 jul. 2023.

FERREIRA, Luan Angelino; SILVA, Fernando Guimarães Oliveira da. A pedagogia tem gênero? O pedagogo cisgênero na educação da infância. Revista Educação Online, Rio de Janeiro, n. 26, p. 23-45, set./dez. 2017. Disponível em: http://educacaoonline.edu.puc-rio.br/index.php/eduonline/article/view/346/172. Acesso em: 10 jan. 2023.

FRANÇA, Fabiane Freire. A contribuição dos estudos de gênero à formação docente: uma proposta de intervenção. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2009.

FRANÇA, Fabiane Freire. “O que os pais vão falar?”: gênero, sexualidade e círculos dialógicos com educadoras. Maringá: Eduem, 2022.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2023.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16.ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

NOGUEIRA, Conceição. Um novo olhar sobre as relações sociais de gênero: feminismo e perspectiva crítica na psicologia social. Lisboa: Fundação Gulbenkian, 2001.

OLIVEIRA, Elisangela Magela. Transformações no mundo do trabalho, da Revolução Industrial aos nossos dias. Revista Caminhos de Geografia, Uberlândia, v.6, n.11, p. 84-96, fev. 2004. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/15327/8626. Acesso em: 20 jan. 2023.

SANTOS, Hugo Marangoni; VEIGA, Selma Borghi. Bendito entre as mulheres: a presença masculina na educação infantil. Periódicos Horizontes, Itatiba, v. 40, n. 1, p. 1-23, ago. 2022. Disponível em: https://revistahorizontes.usf.edu.br/horizontes/article/view/1306. Acesso em: 10 jul. 2023.

Downloads

Publicado

2024-02-21

Como Citar

PEIXOTO, J. P.; YAEGASHI, S. F. R.; SOUZA, S. T. de. Educação e diversidade: pressupostos relacionados à feminização do magistério na Educação Infantil. Revista Internacional de Formação de Professores, Itapetininga, p. e024005, 2024. Disponível em: https://periodicoscientificos.itp.ifsp.edu.br/index.php/rifp/article/view/1166. Acesso em: 15 jul. 2024.