Formação docente em nível médio e superior

perspectivas de professores sobre o exercício da docência em seu trabalho

Autores

  • Helenice Maia UNESA

Palavras-chave:

Formação de professores. Docentes. Ensino Fundamental. Anos iniciais. Escolas públicas.

Resumo

A formação de professores para atuar na Educação Infantil e nos anos iniciais do Ensino Fundamental, pode ser realizada em nível médio e em nível superior, conforme explícito na Lei nº 9394/1996.  Três instâncias diferentes coexistem e disputam a regulamentação de cursos e a modalidade dessa formação, o que parece ter contribuído mais para acentuar dificuldades do que consolidar melhorias que cada uma dessas instâncias poderia trazer para a formação e o trabalho docente. Este artigo discute essa questão, conforme a perspectiva de docentes que atuam nessa etapa da Educação Básica em escolas públicas municipais localizadas no Rio de Janeiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helenice Maia, UNESA

Doutora em Educação (UFRJ). Pós-Doutora em Representações sociais, subjetividade e educação (FCC). Pós-Doutora em Psicologia da Educação (PUCSP). 

Referências

ABRIC, J. C. Methodologie de recueil des répresentations sociales. In: ABRIC, J. C. (Ed.). Pratiques sociales et répresentations. Paris: PUF, 1994, p. 37-57.

ALVES-MAZZOTTI, A. J. et alii. Representações sociais de formação pedagógica por professores, alunos e egressos das licenciaturas que atuam no ensino fundamental. Relatório Técnico. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). 2018.

______. Formação do professor das séries iniciais e trabalho docente. Relatório Técnico. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). 2013.

______. Gênese das representações de identidade docente de professores de primeiro e de segundo segmento do ensino fundamental. Relatório Técnico. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). 2007.

______; MAIA, H. Formação e trabalho docente: representações de professores de curso normal Médio. In: SOUSA, C. P.; VILLAS-BÔAS, L. P. S.; ENS, R. T. (Org). Representações sociais: políticas educacionais, justiça social e trabalho docente. Curitiba: Champagnat, 2011, p. 67-92.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA. Resolução CNE/CEB n. 2, de 19 de abril de 1999. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Docentes da Educação Infantil e dos anos iniciais do Ensino Fundamental, em nível médio, na modalidade Normal. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rceb02_99.pdf. Acesso em: 24 mar. 2013.

______. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA. Parecer CNE/CEB n. 01, de 29 de janeiro de 1999. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de Professores na Modalidade Normal em Nível Médio. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/pceb001_99.pdf. Acesso em: 24 mai. 2013.

______. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. CONSELHO PLENO. Resolução CNE/CP n. 01, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 17 mar. 2013.

______. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. CONSELHO PLENO. Resolução CNE/CP n. 05 de 15 de dezembro de 2005. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Pedagogia. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/pcp05_05.pdf. Acesso em: 23 mar. 2013.

______. Decreto-Lei n. 8.530, de 2 de janeiro de 1946. Lei Orgânica do Ensino Normal. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-8530-2-janeiro-1946-458443-norma-pe.html. Acesso em: 23 out. 2012.

______. Decreto-Lei n. 1.190, de 04 de abril de 1939. Dá Organização à Faculdade Nacional de Filosofia. Brasília, DF, v. 04, p. 50, 1939. Disponível em: http://www2.camara.gov.br/legin/fed/declei/1930-1939/decreto-lei-1190-4-abril-1939-349241-publicacaooriginal-1-pe. Acesso em: 01 out. 2012.

______. Lei n. 12.796 de 04 de abril de 2013. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm. Acesso em: 06 jul. 2013.

______. Lei n. 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 06 jul. 2013.

______. Lei n. 5692 de 11 de agosto de 1971. Fixa as Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5692.htm. Acesso em: 18 jul. 2013.

______. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. CONSELHO PLENO. Resolução n. 2, de 1 de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 21 jul. 2013.

COSTA, L. F. Curso Normal Médio: representações sociais de formação por professores e alunos. 2009. 102p. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estácio de Sá. Rio de Janeiro. 2009.

CURY, C. R. J. A Formação Docente e a Educação Nacional. 2005. Disponível em: portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/conselheiro.pdf‎. Acesso em: 14 jul. 2013.

CRUZ, S. P. S.; BATISTA NETO, J. A polivalência no contexto da docência nos anos iniciais da escolarização básica: refletindo sobre experiências de pesquisas. Revista Brasileira de Educação, v. 17, n. 50, p.385-499, maio/ago. 2012.

FLAMENT, C. Aspects périphériques des representations sociales. In: GUIMELLI, C. (Ed.). Structures et transformations des représentations socials. Lausanne: Delachaux Niestlé, 1994, p. 85-118.

FREITAS, H. C. L. A reforma do Ensino Superior no campo da formação dos profissionais da educação básica: as políticas educacionais e o movimento dos educadores. Educação & Sociedade, ano XX, n. 68, p. 17-44, dez.1999.

FREITAS, H. C. L.; VIEIRA, J. D.; AGUIAR, M. A. S. Entrevista realizada por Luiz Fernandes Dourado e João Ferreira de Oliveira. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 2, n. 2-3, p. 15-27, jan./dez. 2008.

GATTI, B. A. et alii. Formação de professores para o ensino fundamental: instituições formadoras e seus currículos.. Fundação Victor Civita, São Paulo, Estudos e Pesquisas Educacionais n. 1, p. 95-138, maio 2010.

GOMES, C. A.; PEREIRA, M. M. A formação do professor em face das violências das/nas escolas. Cadernos de Pesquisa, v. 39, n. 136, p. 201-224, jan./abr. 2009.

JODELET, D. (Org). As representações sociais. Rio de Janeiro: Eduerj, 2001.

KUENZER, A. Z. Curso de Pedagogia ou Normal Superior? Revista Brasileira de Políticas e Administração da Educação, v. 23, n. 02, p. 253-275, mai./ago. 2007.

LIBÂNEO, J. C.; PIMENTA, S. G. Formação dos profissionais da educação: visão crítica e perspectivas de mudança. Educação & Sociedade, Campinas, v. 20, n. 68, p. 239-77, 1999.

LÜDKE, M.; BOING, L. A. Caminhos da profissão e da profissionalidade docentes. Educação & Sociedade, v. 25, n. 89, p. 1159-1180, set./dez. 2004.

MARTELLI, A. C.; MANCHOPE, E. C. P. A história do curso de Pedagogia no Brasil: da sua criação ao contexto após LDB 9394/96. Revista Eletrônica de Ciências da Educação, v. 3, n. 1, 21p. 2004. Disponível em: http://revistas.facecla.com.br/index.php/reped/article/view/517. Acesso em: 24 jul. 2013.

MELLO, G. N. Formação inicial de professores para a educação básica uma (re)visão radical. São Paulo em perspectiva, v. 14, n. 01, p. 98-110, 2000.

MOSCOVICI, S. Psicanálise, sua imagem e seu público. Petrópolis: Vozes, 2012.

PIMENTA, S. G. Mesa-redonda: por uma pedagogia de formação de professores. Embates conceituais e crítica das políticas atuais. In: BARBOSA, R. L. L. (Org). Trajetórias e perspectivas da formação de educadores. São Paulo: Unesp, 2005.

______. (Org). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo, Cortez, 1999.

PINHEIRO, M. L. Trajetória e interlocuções do educador João Toledo no período 1900 a 1939. Revista Conteúdo, Capivari, v.1, n.2, p. 19-33, jul./dez. 2009.

QUEIROZ, V. C. D. “Não adianta ficar no planejamento no mundo do 1 + 1 que não vai rolar!” Representações sociais de saberes didático-pedagógicos por professores dos anos iniciais do ensino fundamental. 2013. 109p. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Estácio de Sá. Rio de Janeiro, 2009.

SCHIBE, L. Formação de professores no Brasil. A herança histórica Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 2, n. 2-3, p. 41-53, jan./dez. 2008.

_____. Diretrizes Curriculares para o Curso de Pedagogia: trajetória longa e inconclusa. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 130, p. 43-62, jan/abr 2007.

TANURI, L. M. História da formação de professores. Revista Brasileira de Educação, n. 14, p. 61-88, maio/ago. 2000.

VERGÉS, P. Approche du noyau central: propriétés quantitatives et structurales. In: GUIMELLI, C. (Ed.). Structures et transformations des représentations sociales. Lausanne: Délachaux et Niestlé, 1994, p. 233-253.

Downloads

Publicado

2019-01-31

Como Citar

MAIA, H. Formação docente em nível médio e superior: perspectivas de professores sobre o exercício da docência em seu trabalho. Revista Internacional de Formação de Professores, Itapetininga, v. 4, n. 2, p. 149–168, 2019. Disponível em: https://periodicoscientificos.itp.ifsp.edu.br/index.php/rifp/article/view/173. Acesso em: 18 jun. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.