Formação, trabalho e carreira:

a docência nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia

Autores

  • Mirna Ribeiro Lima da Silva Instituto Fedeal Baiano
  • Andressa Christina Trevizan Missaki SME Suzano e Mogi das Cruzes, SP
  • Belmira Amélia de Barros Oliveira Bueno Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Verticalização do ensino, Reprofissionalização docente, Carreira de Magistério EBTT

Resumo

O artigo analisa processos de profissionalização, desprofissionalização e reprofissionalização da docência nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IFs), no Brasil. As análises levaram à conclusão de que a atuação docente, sob a verticalização do ensino institucionalizada pelos IFs, tem combinado três movimentos simultâneos: de profissionalização, pela estruturação da carreira e ampliação da formação e valorização profissional; de desprofissionalização, pela intensificação do trabalho e desestabilização de referenciais identitários; e de reprofissionalização, pelas peculiaridades da organização da carreira e da criação de novas formas de atuação docente em dois níveis de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mirna Ribeiro Lima da Silva, Instituto Fedeal Baiano

Doutora em Educação. Professora do IF Baiano campus Catu.

ORCID iD: https://orcid.org/0000-0001-5195-3221

Andressa Christina Trevizan Missaki, SME Suzano e Mogi das Cruzes, SP

Doutora em Educação. SME Suzano e Mogi das Cruzes, SP. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-4168-7833. 

Belmira Amélia de Barros Oliveira Bueno, Universidade de São Paulo

Professora Titular da Faculdade de Educação da USP. ORCID iD: https://orcid.org/0000-0002-7839-5263.

Referências

ABALLÉA, F. L’anomie professionnelle: déprofessionnalisation et désinstitutionnalisation du travail. Recherche et Formation, Lyon, n. 72, p. 15-26, 2013.

APPLE, M. W. (1995). Trabalho docente e textos: economia política das relações de classe e de gênero em educação. Porto Alegre, RS: Artes Médicas.

ARAÚJO, J. J. C. N.; MOURÃO, A. R. B. O trabalho precário nos Institutos Federais: uma análise dos processos de intensificação do trabalho verticalizado. Educação e Pesquisa [on-line], v. 47, pp. 1-17, 2021.

ARAUJO, J. V. D. A precarização do trabalho docente no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão – IFMA. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de Brasília. Brasília, DF, 2011.

BALL, S. Sociologia das políticas educacionais e pesquisa crítico-social: uma revisão pessoal das políticas educacionais e da pesquisa em política educacional. Currículo sem Fronteiras, v. 6, n. 2, pp. 10-32, jul./dez. 2006.

BOURDIEU, P. Compreender. In: BOURDIEU, P. (Coord.). A miséria do mundo. 7a. ed. Petrópolis: Vozes, 2008, p. 693-732.

BRASIL. Decreto n° 94.664, de 23 de julho de 1987. Aprova o Plano Único de Classificação e Retribuição de Cargos e Empregos de que trata a Lei nº 7.596, de 10 de abril de 1987. Diário Oficial da União, seção 1, Brasília, DF, p. 11.768, 24 jul. 1987.

BRASIL. Decreto nº 74.786, de 29 de outubro de 1974. Dispõe sobre o Grupo-Magistério do Serviço Civil da União e das Autarquias federais, a que se refere o artigo 2º da Lei nº 5.645, de 10 de dezembro de 1970, e dá outras providências. Diário Oficial da União, seção 1, Brasília, DF, p. 12.301, 30 out. 1974.

BRASIL. Lei n° 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial da União, seção 1, Brasília, DF, n. 253, p. 1-3, 30 dez. 2008b.

BRASIL. Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, seção 1, Brasília, DF, ano 131, n. 248, p. 1-9, 23 dez. 1996.

BRASIL. Lei nº 11.784, de 22 de setembro de 2008. Dispõe sobre a reestruturação [...] do Plano de Carreira e Cargos de Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico [...] e dá outras providências. Diário Oficial da União, seção 1, Brasília, DF, n. 184, p. 1-38, 23 set. 2008a.

BRASIL. Lei nº 12.772, de 28 de dezembro de 2012. Dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal; [...] sobre o Plano de Carreira e Cargos de Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico [...] e dá outras providências. Diário Oficial da União, seção 1, Brasília, DF, n. 251, p. 1-19, 31 dez. 2012.

BRASIL. Lei nº 13.325, de 29 de julho de 2016. Altera a remuneração, as regras de promoção, as regras de incorporação de gratificação de desempenho a aposentadorias e pensões de servidores públicos da área da educação, e dá outras providências. Brasília, DF, 2016.

BRASIL. Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Dispõe sobre o regime jurídico

Brasília, DF, 1990.

BUENO, B. O. Entre o virtual e o presencial: a formação e a profissionalização dos professores. In: MELO, Benedita P. et al. (Org.). Entre crise e euforia: práticas e políticas educativas no Brasil e em Portugal. Porto: U. Porto, 2014. pp. 237-260.

CONSELHO NACIONAL DAS INSTITUIÇÕES DA REDE FEDERAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL, CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA. Nota oficial sobre a portaria nº 983 de 18 de novembro de 2020. Brasília, DF, 2020.

DAL ROSSO, S. Mais trabalho! A intensificação do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo, 2008.

DE LA BROISE, P. Une professionnalisation dans son inverse: la déprofessionnalisation des universitaires français. Recherche et Formation, Lyon, n. 72, pp. 57-70, 2013.

DEMAILLY, L.; DE LA BROISE, P. Les enjeux de la déprofessionnalisation: Études de cas et pistes de travail. Socio-logos - Revue de l’association français de sociologie, n. 4, pp. 1-13, 2009.

dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais.

ELIAS, N. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar, 1994.

ELIAS, N. Escritos e ensaios: Estado, processo, opinião pública. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar, 2006.

ELIAS, N. Introdução à Sociologia. Lisboa, Portugal: Edições 70, 2001.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO. Resolução nº 22, de 18 de março de 2019. Regulamentação da Atividade Docente. Salvador, BA, 2019.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. Resolução nº 109/2015, de 04 de novembro de 2015. Aprova Ad referendum alterações no Regulamento de Atribuições de Atividades Docentes do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo. São Paulo, SP, 2015.

JARDIM, A. C. S. Representações sociais de professores e gestores sobre "ser professor" no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. Tese (Doutorado em Educação: Psicologia da Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.

KAUFMANN, J. C. A entrevista compreensiva: um guia para pesquisa de campo. Petrópolis, RJ: Vozes: Maceió, AL: Edufal, 2013.

MARIN, A. J. Precarização do trabalho docente. In: OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. M. C.; VIEIRA, L. M. F. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. (CD-ROM, pp. 1-2).

MAUBANT, P.; ROGER, L.; LEJEUNE, M. Autour des mots de la formation: Déprofessionnalisation. Recherche et Formation, Lyon, n. 72, pp. 89-102, 2013.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Ofício-Circular n° 008/2015. Controle de frequência dos docentes da Carreira do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico. Brasília, DF: MEC, 2015.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Portaria nº 270, de 3 de maio de 2021. Altera o art. 3º da Portaria nº 983, de 18 de novembro de 2020, que estabelece diretrizes complementares à Portaria nº 554, de 20 de junho de 2013, para a regulamentação das atividades docentes, no âmbito da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Brasília, DF: MEC, 2021.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Portaria nº 983, de 18 de novembro de 2020. Estabelece diretrizes complementares à Portaria nº 554, de 20 de junho de 2013, para a regulamentação das atividades docentes, no âmbito da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica [Republicada]. Brasília, DF: MEC, 2020.

MISSAKI, A. C. T. Os planos de carreira docente em São Paulo: configurações do ensino público nas diferentes esferas administrativas. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, 2020.

NÓVOA, A. Para o estudo sócio-histórico da gênese e desenvolvimento da profissão docente. Teoria e Educação. Porto Alegre, n. 4, pp. 109-135, 1991.

PACHECO, E. M.; CALDAS, L.; DOMINGOS SOBRINHO, M. Institutos federais de educação, ciência e tecnologia: limites e possibilidades. In: PACHECO, E. M.; MORIGI, V. (Org.). Ensino técnico, formação profissional e cidadania: a revolução da educação profissional e tecnológica no Brasil. Porto Alegre: Tekne, 2012. pp. 15-31.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia: um novo modelo em educação profissional e tecnológica – concepção e diretrizes. Brasília: MEC, 2010.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA. Portaria n° 17, de 11 de maio de 2016. Estabelecer diretrizes gerais para a regulamentação das atividades docentes, no âmbito da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Diário Oficial da União, seção 1, Brasília, DF, ano 153, n. 91, p. 50-51, 13 maio 2016.

SILVA, M. R. L. da. O trabalho docente nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: processos de profissionalização e desprofissionalização. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, 2020.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 9a. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Relatório de Auditoria Operacional em ações da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Brasília: TCU, 2012.

WITTORSKI, R.; ROQUET, P. Professionnalisation et déprofessionnalisation: des liens consubstantiels. Recherche et Formation, Lyon, n. 72, pp. 71-88, 2013.

Downloads

Publicado

2022-08-25

Como Citar

SILVA, M. R. L. da; TREVIZAN MISSAKI, A. C.; BUENO, B. A. de B. O. Formação, trabalho e carreira:: a docência nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Revista Internacional de Formação de Professores, Itapetininga, v. 7, p. e022005, 2022. Disponível em: https://periodicoscientificos.itp.ifsp.edu.br/index.php/rifp/article/view/710. Acesso em: 18 jul. 2024.