Análise da prática

um dispositivo para (des)privatização da prática docente

Autores

  • Luana Monteiro Unesp - Rio Claro
  • Jacqueline Rodrigues Cecchetto Universidade Estadual Paulista
  • Flávio Benedito Etec Darcy Pereira de Moraes

Palavras-chave:

Análise de prática. (Des)privatização da prática. Profissionalização docente.

Resumo

O presente artigo decorre de discussões e reflexões realizadas em uma disciplina ofertada pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, da Unesp-Rio Claro, onde foi possível refletir sobre a Análise da Prática como um dispositivo para a (des)privatização da prática docente. Temos o objetivo de apresentar a Análise da Prática como um dispositivo para conhecimento e reflexão sobre a prática e saberes docentes. No percurso metodológico, abordamos o método da autoetnografia, com suporte da técnica do Relato de Experiência. Conclusivamente, foi possível reconhecer os saberes que constituíram a prática relatada, bem como as potencialidades desse dispositivo para (des)privatização da prática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luana Monteiro, Unesp - Rio Claro

Mestra em Educação. Universidade Estadual Paulista. ORCID: https://orcid.org/0000-0000-0000-000

Jacqueline Rodrigues Cecchetto, Universidade Estadual Paulista

Mestra em Ciências da Motricidade. Universidade Estadual Paulista. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-0490-9815

Flávio Benedito, Etec Darcy Pereira de Moraes

Doutor em História da Economia. Etec Darcy Pereira de Moraes. ORCID: https://orcid.org/0009-0006-8924-1864. 

Referências

ANDRÉ; M. E. D. A.; PASSOS, L. F. Para além do fracasso escolar: uma redefinição das práticas avaliativas. In AQUINO, J. G. Erro e fracasso na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1997.

AZEREDO, J. L; PIZZOLLO, M. C. C.; BITENCOURT, R. L. A formação continuada de professores: um espaço para autoria?. Revista Internacional de Formação de Professores, v. 3, n. 3, p. 148-166, jul./set. 2018.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: edições, v. 70, p. 225, 1977.

BONINI, A. A relação entre a prática social e gênero textual: questão de pesquisa e ensino. Veredas-Revista de Estudos Linguísticos, v. 11, n. 2, p. 58-77, fev. 2007.

BORGES, M. L. Saber experiencial e conhecimento profissional docente: implicações epistemológicas e formativas. Revista Internacional de Formação de Professores, v. 1, n. 3, p. 147-162, 2016.

BOSSLE, F; NETO, V. M. No “olho do furacão”: uma autoetnografia em uma escola da rede municipal de ensino de Porto Alegre. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 31, n. 1, p. 131-146, set. 2009.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde (CNS). Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais cujos procedimentos metodológicos envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com os participantes ou de informações identificáveis ou que possam acarretar riscos maiores do que os existentes na vida cotidiana. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 24 maio 2016. Seção 1, p. 44.

COCHRAN-SMITH, M. A Tale of Two Teachers: Learning to Teach Over Time. Kappa Delta Pi Record, v. 48, p. 108–122, aug. 2012.

COSTA-HÜBES, T. C. Por uma concepção sociointeracionista da linguagem: orientações para o ensino da língua portuguesa. Línguas & Letras, v. 1, n. 1, agosto. 2011.

DALTRO, M. R; DE FARIA, A. A. Relato de experiência: Uma narrativa científica na pós-modernidade. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 19, n. 1, abril. 2019.

DINIZ-PEREIRA, J. E. Da racionalidade técnica à racionalidade crítica: formação docente e transformação social. Perspectivas Em Diálogo: Revista De Educação E Sociedade, v. 1, n. 1, p. 34-42, jan./jun. 2014.

ELLIS, Carolyn; BOCHNER, Arthur. Autoethnography, personal narrative, reflexivity: researcher as subject. In: DENZIN, Norman; LINCOLN, Yvonna (editors). Handbook of Qualitative Research. Sage Publications: Califórnia, USA, 2000.

FORTUNATO, I. O relato de experiência como método de pesquisa educacional in FORTUNATO, I.; SHIGUNOV NETO, A. Método(s) de pesquisa em educação. São Paulo: Edições Hipótese, 2018a.

FORTUNATO, I. A didática na formação inicial de professores: relato de experiência. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 13, n. 1, p. 269- 276, jan./mar., 2018b.

GAUTHIER, C. et al. Por uma teoria da Pedagogia. Ijuí: Editora Unijuí, 1998.

IZA, D. F. V.; BENITES, L. C.; SANCHES NETO, L.; CYRINO, M.; ANANIAS, E. V.; ARNOSTI, R. P.; SOUZA NETO, S. Identidade docente: as várias faces da constituição do ser professor. Revista Eletrônica de Educação, v. 8, n. 2, p. 273-292, 2014.

LANFRANCO, Á. C. P. M.; FORTUNATO, I. Formação de professores e o relato de experiência como método de pesquisa: levantamento de teses e dissertações 2012- 2020. Revista Educação em Páginas, v. 1, p. e11112, 2022.

LÜDKE, M. O professor e a pesquisa. Papirus Editora, 2016.

MAZZOTTI, A.J.A.; GEWANDSNAJDER, F. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Ed. Pioneira, 1998.

OLIVEIRA, V. M. F. Dispositivo grupal e formação docente. Educere et Educare, v. 6, n. 11, abril. 2011.

ORTIZ, H. M. O professor reflexivo: (re)construindo o “ser” professor. Rio Claro, SP: Escola de Educadores, 2005.

PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: saberes da docência e identidade do professor. Revista da Faculdade de Educação, v. 22, n. 2, jan. 1996.

RUFINO, L. G. B; BENITES, L. C; DE SOUZA NETO, S. Análise das práticas e o processo de formação de professores de educação física: implicações para a fundamentação da epistemologia da prática profissional. Movimento, v. 23, n. 1, mar. 2017.

SCHON, D. A. The reflective practioner: how professionals think in action. Basic Books, USA, 1983.

SHULMAN, L. S. Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational Researcher, v. 15, n. 4, fev. 1986.

SOUSA, S. M. Z. L. Avaliação escolar e democratização: o direito de errar. In AQUINO, J. G. Erro e fracasso na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1997.

TARDIF, M. O trabalho docente, a pedagogia e o ensino: interações humanas, tecnologias e dilemas. TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional, v. 12, p. 15-47, jan./jun. 2001.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. São Paulo: Vozes, 2014.

TRAVAGLIA, L. C. A sistematização do ensino de gramática em atividades de gramática reflexiva e outras. Discutindo a prática docente em língua portuguesa. São Paulo: IP–PUC/SP, p. 59-70, 2000.

WITTORSKI, R. A contribuição da análise das práticas para a profissionalização dos professores. Cadernos de Pesquisa, v.44, n. 154, p. 894-911, out./dez. 2014.

Downloads

Publicado

2023-11-29

Como Citar

MONTEIRO, L.; CECCHETTO, J. R.; BENEDITO, F. Análise da prática: um dispositivo para (des)privatização da prática docente . Revista Internacional de Formação de Professores, Itapetininga, v. 8, p. e023020, 2023. Disponível em: https://periodicoscientificos.itp.ifsp.edu.br/index.php/rifp/article/view/1402. Acesso em: 15 jul. 2024.